História de Porto Seguro

 

Na época do Descobrimento do Brasil pelos portugueses, a região de Porto Seguro era habitada pelos tupiniquins, que haviam descoberto essas terras muito tempo antes. O evento, entretanto, marca o início da história documentada do Brasil. A Arqueologia tem muito contribuído para entendermos como viviam os primitivos brasileiros, antes do século 16. A riqueza cultural dos índios vem surpreendendo, cada vez mais, com novas pesquisas.

A expedição de Pedro Álvares Cabral deixou Portugal, em 9 de março de 1500, com 10 naus e três caravelas. Sua missão era comercial, buscava especiarias nas Índias. Em 22 de abril, avistaram o Monte Pascoal. Os fatos e o contexto da viagem indicam que teria sido uma descoberta acidental. Saiba mais em:

Descobrimento do Brasil

Falsos Descobrimentos do Brasil

Colombo havia chegado na América oito anos antes. Sabe-se, hoje, que as nações indígenas da América pré-colombiana tinham algum contato entre si. Os índios do Caribe teriam, assim, espalhado a notícia das grandes embarcações vindas de terras longínquas. É bem possível que tal notícia tenha chagado ao sul da Bahia, antes de Cabral.

Em 23 de abril de 1500, os portugueses entraram em contato com os tupiniquins. Passado os instantes de tensão iniciais, todo o relacionamento entre portugueses e tupiniquins foi amigável. Cabral demonstrou grande habilidade social. Mais em:

Primeiras Missas

Carta de Pero Vaz de Caminha

Nomes da terra que chamamos de Brasil

Aqui foram deixados os primeiros europeus em território brasileiro, a partir de 1500. Em 1503, os portugueses fundaram, também aqui, a primeira colônia europeia da América Lusitana e sua primeira igreja, dedicada a São Francisco de Assis. Os franciscanos foram os primeiros missionários do Brasil. O Sul da Bahia foi a região principal em que se deu o ciclo econômico do pau-brasil.

Essa aldeia pioneira foi destruída pelos índios, em 1505. Os dois missionários franciscanos e alguns colonos foram mortos. No ano seguinte, os índios foram pacificados e a Aldeia, reconstruída. Em 1515, outros dois missionários franciscanos chegaram a Porto Seguro.

Mais: a Primitiva Aldeia de Porto Seguro

Em 1526, Cristóvão Jacques construiu o Fortim Santa Cruz e teria fundado, também aqui, o primeiro hospital do Brasil, com a Irmandade da Santa Casa da Misericórdia.

Em 27 de maio de 1534, a Capitania de Porto Seguro foi doada a Pero do Campo Tourinho. Segundo a Carta de Doação, seu litoral era de 50 léguas, que começavam onde terminava a Capitania dos Ilhéus. Seu território era limitado, a oeste, pelo Meridiano de Tordesilhas.

Tourinho nasceu em Viana do Castelo, em 1490, e era um oficial da Irmandade da Santa Casa da Misericórdia. Vendeu seus bens e deixou Portugal, em dezembro de 1534, com sua esposa Inês Fernandes Pinho, seus três filhos (Fernão, André e Leonor) e cerca de 600 colonos. Chegou em 1535 e instalou sua Capitania.

Tourinho construiu sete igrejas e fundou oito vilas, incluindo a Vila de Nossa Senhora da Pena, com sede no atual Centro Histórico de Porto Seguro. Doou sesmarias aos colonos, incluindo uma ao primeiro Duque de Aveiro, com licença para construir um engenho de açúcar, que veio a ser o Engenho Santa Cruz. Em 1543, Tourinho escreveu ao Rei relatando a pobreza da Capitania, os conflitos com os colonos e com os índios. Foi o mesmo ano da primeira nomeação conhecida (João Gonçalves Brandão) para a Provedoria da Fazenda Real, em Porto Seguro. Mas a Capitania não seria realmente pobre como reivindicava seu rigoroso donatário. Existiam recursos da pesca, do pau-brasil e de pelo menos um engenho de açúcar, além de muitos recursos naturais. Entre seus habitantes estavam muitos estrangeiros, incluindo franceses e espanhóis. Além disso, Tourinho construiu sete igrejas e fundou oito vilas, a maior quantidade entre todas as capitanias, até a época.

Por volta de 1545, o donatário da Capitania da Bahia, Pereira Coutinho, refugiou-se em Porto Seguro, devido a conflitos com os tupinambás. Caramuru veio visitá-lo. Ao retornar, em 1546, o navio de Coutinho naufragou e ele foi devorado pelos índios, em Itaparica.

Em 1546, por forçar o trabalho nos dias santos, Tourinho foi acusado de heresia e levado para Portugal. Apesar de ser absolvido, ele não obteve permissão para retornar ao Brasil. Faleceu em Portugal, em 10 de outubro de 1553.

Após o ciclo do pau-brasil, na primeira metade do século 16, Porto Seguro entrou em decadência. Em 1549, Fernão do Campo Tourinho, filho do donatário, retornou para comandar a Capitania. Esse foi a ano da fundação da Cidade do Salvador, da unificação política do Brasil e da chegada dos jesuítas, que fundaram um colégio e uma capela em Porto Seguro.

Em 1553, a Vila de Porto Seguro foi incendiada pelos aimorés. Fernão faleceu e sua irmã Leonor herdou a Capitania, que foi vendida, por volta de 1559, a João de Lencastro, o Duque de Aveiro, proprietário do Engenho Santa Cruz. Em 1571, após sua morte, seu filho Pedro Dinis assumiu a Capitania.

Em 1759, os jesuítas foram expulsos do Brasil e seus bens, confiscados. O Colégio de Porto Seguro foi abandonado, mas posteriormente recebeu um professor. No mesmo ano, a Capitania de Porto Seguro foi assumida pela Coroa e incorporada à Capitania Real da Bahia. Logo depois, passou à condição de comarca. Nas décadas seguintes, houve transformações político-administrativas, sociais, culturais e econômicas na região de Porto Seguro, transformada em um dos mais importantes centros de produção e comercialização de víveres da América Lusitana, conforme Tese apresentada na UFBA, em 2012, por Francisco Eduardo Torres Cancela (DE PROJETO A PROCESSO COLONIAL: ÍNDIOS, COLONOS E AUTORIDADES RÉGIAS NA COLONIZAÇÃO REFORMISTA DA ANTIGA CAPITANIA DE PORTO SEGURO, 1763-1808).

Em 1891, a Vila de Porto Seguro foi elevada à categoria de cidade.

Após 1972, com a inauguração de BR-101, Porto Seguro reencontrou o caminho da prosperidade. Nos anos 1990, ganhou um aeroporto internacional e uma subestação de energia, em 138 kV, então, a mais alta tensão no Sul da Bahia. No novo milênio, tornou-se um dos principais destinos turísticos do Brasil.

 

 

 

Missa Porto Seguro

 

Missa em Porto Seguro na Semana do Descobrimento, em 1500. Aquarela do artista português Roque Gameiro (1864-1935) e de E. Condeixa, uma das iconografias usadas nas comemorações do Centenário da Independência, em 1922.

 

Mapas Históricos da Bahia

 

Jesuitas

 

Primeiro hospital

 

Primeiras Missas

 

Primeira Igreja Brasil

 

Pero do Campo Tourinho

 

Monumento ao Capitão-Donatário Pero do Campo Tourinho (1490-1553), em Porto Seguro. Após ser levado de volta para Portugal, em 1546, não pode mais retornar ao Brasil.

 

Fragmento do Mapa de João Teixeira Albernaz, de 1640, com a Vila de Porto Seguro. Note a indicação da Igreja de São Francisco de Assis (S.Frco), a primeira igreja do Brasil.

 

Ruínas do Colégio dos Jesuítas e Capela de São Benedito. Foi a primeira escola da Capitania e funcionou até a expulsão dos jesuítas, em 1759. Funcionou como residência de um professor de latim até 1820. Em 1917, os materiais do antigo colégio foram usados na construção de uma serraria. Restou apenas as fundações do Colégio, mas a Capela foi preservada.

 

Seculo 17

 

O Centro Histórico de Porto Seguro. Em primeiro plano, o Marco de Posse da Coroa Portuguesa, instalado entre 1503 e 1506, substituindo o marco original. É o mais antigo patrimônio histórico brasileiro existente. Ao fundo, a Igreja de N.S. da Pena e a Casa de Câmara e Cadeia, atual Museu de Porto Seguro.

 

Predios historicos

 

Monte Pascoal

 

 

◄ Porto Seguro

 

Copyright © Guia Geográfico - História do Brasil.

 

História de Porto Seguro

 

 

Porto Seguro BA

 

 

 

 

 

Por Jonildo Bacelar, em 2018

 

 

 

 

 

 

Jota Freitas