Os Panos de Boca do Theatro São João

Muito do que sabemos sobre o antigo teatro foi relatado pelo engenheiro e escritor baiano Sílio Boccanera Júnior (1863-1928), que foi um de seus diretores. Ele também escreveu livros importantes sobre a história do teatro nacional. Eis alguns de seus relatos sobre os panos de boca (as cortinas do palco):

O primeiro foi pintado, em 1812, pelo artista baiano Manuel José de Souza Coutinho (1776-1830), Representava a figura colossal da América Portuguesa (entenda-se Brasil).

O segundo pano de boca foi pintado por outro ilustre artista baiano - José Theóphilo de Jesus (1757-1847). O tema, entretanto, é ignorado.

O terceiro pano foi pintado, em 1854, por um alemão de nome Bauch. Representava o desembarque de Thomé de Sousa na Bahia, com alguns caboclos prostrados ante a bandeira de Portugal. As batalhas na Bahia, pela Independência do Brasil, foram sangrentas e o tema com a bandeira portuguesa causou tumulto. No mesmo ano, durante a apresentação de uma companhia lírica italiana, uma onda de revolta invadiu a plateia. O tio do poeta Castro Alves, o alferes João José Alves, herói da Guerra do Paraguay, rasgou o pano com um punhal. Soldados foram chamados.

No ano seguinte foi pintado o quarto pano, pelo italiano Tassani. Representava o deus grego Febo (Apolo) conduzindo o carro do Sol, circundado pelas deusas as Horas.

Vários outros panos foram pintados até 1920.

 

Soldados no Largo do Theatro para a chegada do Imperador Dom Pedro II, em 1859.

 

Largo Teatro

 

Salvador

 

 

Teatro Sao Joao

 

 

Copyright © Guia Geográfico - Teatros antigos da Bahia.

 

 

Salvador Turismo